Astrolábio

Astrolábio

Foi precisa muita coragem aos marinheiros Portugueses que fizeram as primeiras grandes viagens das Descobertas. Corriam boatos terríveis sobre o que havia além-mar. Acreditava-se que no Oeste o oceano Atlântico terminaria numa enorme catarata e que, no Sul, onde o Sol alcança o seu pino, o calor queimaria os navios.
Havia uma dificuldade real que dificultava a navegação no alto mar (para determinar a latitude e a longitude), pois os únicos pontos de orientação eram o Sol e as estrelas.
Para medir a altura das estrelas usava-se na Idade Média o astrolábio planisfério, uma invenção do génio humano da Antiguidade Grega que fora aperfeiçoado ao longo dos séculos, na Europa e pelos Árabes.
Tratava-se de um instrumento muito complexo e delicado (um autêntico computador analógico) que permitia ainda calcular as horas pela posição do Sol, como também a prever a posição dos astros para determinado dia do ano e para determinada hora.

Astrolábio

O Astrolábio e a sua importância para os Descobrimentos Portugueses

Para determinar o problema da latitude os cosmógrafos e navegadores Portugueses foram buscar o astrolábio planisfério e simplificaram-no.
Assim, o astrolábio náutico mais robusto e pesado, não oferecia grande resistência ao vento e mantinha-se facilmente na vertical, mesmo nas difíceis condições de navegação de alto-mar.
Revelou-se um instrumento eficaz e de grande utilidade para a navegação, pois com a sua ajuda era possível marcar com precisão a posição sobre a Terra (latitude).

Princípio de funcionamento do astrolábio

O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos.
O astrolábio náutico era utilizado para medir a altura angular dos astros, nomeadamente o Sol ao meio-dia (ou a Estrela Polar, durante a noite).

Para o efeito, a “mediclina” tinha duas pequenas placas (as “pínulas”) com orifícios nas partes centrais, através dos quais se espreitava para as estrelas ou se projectava a luz do Sol, para alinhar essa mira com a direcção do astro.

Ao medir o ângulo que o Sol (ou a Estrela Polar) fazia com o horizonte conseguia-se calcular a latitude do lugar, identificando assim a posição de navegação sobre a Terra.

Recomendação prévia!
Este astrolábio está feito num material resistente, mas muito leve. Por forma a torná-lo mais pesado (como os que eram usados na realidade) foram feitos dois furos na parte inferior do astrolábio que permitem a passagem de um fio.
Este fio deve ser preso ao gargalo de uma garrafa de plástico de água cheia (é suficiente uma garrafa de 33cl) de modo que quando se suspender o astrolábio, este pode ser utilizado, tal como acontecia no século XV!

Medição da inclinação relativamente ao Sol – como se faz

O observador suspende o astrolábio pela argola e orienta a roda no plano vertical do Sol.
Gira depois a “mediclina” de modo que a luz do Sol passe pelos dois furos das pínulas.
A leitura feita pela ponta afiada da “mediclina”, na graduação da roda indica a altura do sol (distância zenital z).
A latitude é o ângulo φ, formado pela vertical do lugar com o Equador, medido sobre o meridiano do lugar. Como mostra a figura, este ângulo é a soma da distância zenital do Sol z, com a declinação do Sol (d) quando este passa pelo meridiano do lugar, ou seja, ao meio-dia solar verdadeiro.
Com o astrolábio mede-se o ângulo z apontando a “mediclina” para o Sol e numa tabela astronómica lê-se o valor da declinação (d), ao meio-dia solar para esse dia.

Astrolábio

Essa medição deve ser feita no instante em que o Sol passa pelo meridiano do lugar, ou seja, no instante em que a sua altura é máxima no lugar.

Para isso acontecer, pouco antes do meio-dia solar, o observador orienta o instrumento e gira a “mediclina” de modo a manter um raio de luz solar a passar pelos dois furos.


Antes do meio-dia a extremidade superior vai subindo, cada vez mais lentamente; atingindo o seu máximo, começa a descer.

A maior altura, que corresponde ao meio-dia solar é o ângulo procurado. Deste modo, o astrolábio também indica o meio-dia verdadeiro sem necessidade de recorrer a um relógio.

Desafio
O astrolábio era usado igualmente para outras finalidades. Os gregos utilizavam-no para medir a altura dos edifícios ou a profundidade de poços.
Deixamos-te um desafio: num dia de Sol utiliza o astrolábio para determinar a altura da tua casa, da tua escola ou das árvores de um jardim!
Boa sorte!

(“Medição da inclinação relativamente ao Sol – como se faz” – texto adaptado de “Esquema de funcionamento do astrolábio”, A.S. Alves e Claudino Romeiro, Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra). 

Gostou? Então partilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
error: Conteúdo protegido !!
Scroll to Top